Brasil
Notícias

De olho no setor de petróleo e gás do Brasil

Bnamericas Publicado: sexta-feira, 23 setembro, 2022
De olho no setor de petróleo e gás do Brasil

A transportadora brasileira de gás natural Nova Transportadora do Sudeste (NTS) planeja investir até R$ 12 bilhões (US$ 2,35 bilhões) em novos projetos.

A maior parte do valor, que aguarda aprovações governamentais e corporativas, será destinada à ampliação da capacidade de seus gasodutos e geração de flexibilidade para sustentar o fluxo de gás nacional.

Enquanto isso, a empresa está avaliando a possibilidade de investir em ativos de armazenamento de gás natural liquefeito (GNL) para promover a integração entre os setores de gás e eletricidade.

O objetivo é oferecer uma solução logística que atenda ao alto grau de flexibilidade exigido para o perfil de despacho das usinas termelétricas do país.

Com investimentos de R$ 230 milhões, o gasoduto Itaboraí-Guapimirim (Gasig), em construção, sinaliza a retomada dos projetos de transporte de gás natural no Brasil, que nos últimos 10 anos não construiu novas estruturas de gasodutos para expandir a malha.

Como sua malha de dutos está no “coração do país”, a NTS também pretende aproveitar as rotas do pré-sal, bem como o abastecimento de GNL que chega pela Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

A NTS também apresentou à ANP, agência reguladora de petróleo e gás, um plano de abertura da capacidade de transporte existente, que disponibilizará pelo menos 12 MMm³/d (milhões de metros cúbicos por dia) para acesso dos produtores do pré-sal aos mercados em que atua.

Dessa capacidade, estima-se que outros 5 MMm³/d possam chegar a mercados como São Paulo e a região sul do país.

Responsável pelo transporte de 50% do gás natural consumido no Brasil, a NTS é um ativo da Brookfield e da Itaúsa, além da British Columbia Investment Management Corporation, da CIC e da GIC.

***

A ANP aprovou a reclassificação do oleoduto Osduc de duto de transferência para duto de transporte, a pedido da VAST Infraestrutura.

A decisão faz parte de um projeto para implementar uma alternativa de abastecimento de petróleo para duas das maiores refinarias do país.

O Osduc é um oleoduto de 180 km que liga o terminal Cabiúnas, em Macaé, ao terminal Campos Elíseos, em Duque de Caxias, ambos no estado do Rio de Janeiro.

O sistema é operado pela Transpetro, subsidiária da Petrobras. Através do Osduc, o petróleo da empresa federal produzido na bacia de Campos é transferido para Duque de Caxias, onde abastece a refinaria Duque de Caxias (Reduc) e pode ser transferido para Betim, em Minas Gerais, pelo oleoduto Orbel II, para abastecer a refinaria Gabriel Passos (Regap). As duas refinarias pertencem à Petrobras.

Anteriormente, o Osduc havia sido autorizado pela ANP como duto de transferência para uso exclusivo da Petrobras.

Um duto de transferência é aquele cuja rota é considerada de interesse específico e exclusivo do proprietário. Um duto de transporte, por outro lado, pode ser acessado por terceiros. Nesse caso, o duto deve ser operado por uma transportadora, que não pode comercializar os produtos movimentados.

Quando comprovado o interesse de terceiros em um duto de transferência, a ANP pode reclassificá-lo como duto de transporte.

A decisão sobre o Osduc pode viabilizar uma fonte alternativa de abastecimento de petróleo para Reduc e Regap a partir do Porto do Açu, em São João da Barra, no estado do Rio.

***

A empresa de distribuição de gás do Espírito Santo ES Gás assinou um contrato de fornecimento com a Galp Energia.

O contrato é válido por 10 anos, totalizando um volume de 912 MMm³ de gás natural, dos quais 100.000 m³/d são para 2023 e 2024, 200.000 m³/d para 2025 e 300.000 m³/d entre 2026 e 2032.

O valor estimado do contrato ultrapassa R$ 1,9 bilhão.

Com o novo contrato, a ES Gás contará com dois fornecedores, pois já era atendida pela Petrobras.

***

Uma das duas unidades de processamento da refinaria Isaac Sabbá (Reman), da Petrobras, em Manaus, no Amazonas, foi fechada nesta quinta-feira (22).

Segundo a Petrobras, houve um problema no motor da embarcação que transportava óleo de Urucu para a usina. A empresa acrescentou que o abastecimento da região não foi afetado.

A Reman foi vendida pela Petrobras para a Atem Distribuidora, mas a transferência ainda não foi concluída.

***

A ANP finalizou a homologação dos resultados do 3º Ciclo da Oferta Permanente de Concessão, com a aprovação da aquisição de 18 blocos pela Origem Energia

Na sessão, realizada em abril, foram leiloados 59 blocos. Em agosto, a agência havia aprovado os resultados de mais 40 blocos.

A licitante vencedora do bloco ES-T-399, CE Engenharia, foi desclassificada por não apresentar a documentação necessária para qualificação.

***

A Radix ganhou uma licitação da Petrobras para desenvolver software científico focado em engenharia de poços e submarina.

Considerando o volume de trabalho, o processo licitatório foi dividido em três lotes para poços e três lotes para submarinos, permitindo a contratação de uma, duas ou três empresas.

A Radix foi a vencedora de dois lotes submarinos e um lote de poços, com serviços estimados em aproximadamente R$ 49 milhões.

***

A Enauta retomou a produção de três poços no campo de Atlanta, na bacia de Santos.

Durante a paralisação da produção iniciada em 26 de agosto, as demandas do Ministério do Trabalho foram atendidas. Foram conduzidos trabalhos de fiscalização e adequação do FPSO Petrojarl I para prorrogação do contrato de afretamento por mais dois anos.

Ao longo dos próximos meses, essas atividades serão concluídas para permitir que, até o final do ano, a agência classificadora avalie o estado geral do FPSO e confirme o prolongamento de sua vida útil.

***

A Raízen, joint venture entre Shell e Cosan, assinou acordo para fornecimento de derivados de petróleo para aviação com a Azul Linhas Aéreas Brasileiras.

O acordo prevê a possibilidade de fornecimento de energia elétrica gerada pela Raízen através da geração distribuída e comercialização de combustível de aviação sustentável.

Com uma frota operacional de mais de 160 aeronaves de passageiros, a Azul oferece aproximadamente 900 voos diários para mais de 150 destinos nacionais e internacionais.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.