Chile
Análise

A indústria de mineração do Chile deve se preocupar com as propostas da Convenção Constitucional?

Bnamericas Publicado: quinta-feira, 03 fevereiro, 2022
A indústria de mineração do Chile deve se preocupar com as propostas da Convenção Constitucional?

Uma proposta na Convenção Constitucional que abriria caminho para a nacionalização das minas do Chile e outra para que as concessões de mineração fossem temporárias geraram preocupação no setor.

A BNamericas revisou as propostas e como os representantes do setor reagiram.

Nacionalização

No início desta semana, uma comissão da convenção que está redigindo a nova Constituição do país aprovou uma proposta para nacionalizar os recursos naturais do Chile, como cobre, lítio, ouro, prata, urânio, molibdênio, cobalto, terras raras, manganês, hidrocarbonetos líquidos e boro, a fim de garantir o desenvolvimento de um modelo económico sustentável em que haja um equilíbrio entre a atividade econômica e a proteção da natureza.

Em 1971, o Congresso do Chile aprovou a nacionalização da indústria do cobre, que levou à criação da estatal Codelco em 1976. No entanto, desde a década de 1990, a indústria tem visto investimentos multibilionários do setor privado, inclusive empresas estrangeiras, em novas minas. O chefe da Sociedade Nacional de Mineração (Sonami), Diego Hernández, diz que a proposta atual significaria nacionalizar as mineradoras em vez do cobre, já que isso já é de propriedade do país.

“Com o que eles aprovaram, a estrutura institucional da mineração desapareceria e todas as mineradoras seriam nacionalizadas. Não há distinção entre grandes ou pequenas empresas”, afirmou ele à Rádio Cooperativa na quinta-feira (03).

Em entrevista à CNN Chile, Ivanna Olivares, membro da Convenção Constitucional que está promovendo a iniciativa, disse que, se a proposta passar a fazer parte da nova Constituição do país, o presidente terá um ano “para pedir a vinculação de grandes mineradoras transnacionais e privadas”. A remuneração seria baseada no valor contábil, segundo a proposta.

“Não há parâmetros, tudo será nacionalizado”, acrescentou.

Com relação à propriedade mineral, Hernández disse na quarta-feira (02) que permaneceria no limbo.

O documento estabelece que as concessões de exploração detidas pelas mineradoras serão encerradas com a efetivação da nacionalização, mas também afirma que isso se aplicaria aos ativos de terceiros.

O documento diz que parte dos lucros gerados pela mineração será usada para proteger e restaurar o meio ambiente em comunidades afetadas pelas operações extrativistas.

Segundo Hernández, a proposta é irreal.

A BNamericas entrou em contato com fontes ligadas a mineradoras do setor privado que operam no Chile, mas elas se recusaram a comentar até que o processo esteja mais avançado.

A proposta de nacionalização passará por uma segunda votação na Comissão no final deste mês e, em seguida, precisa ser aprovada por dois terços da assembleia de 155 membros para ser incluída na redação final da Constituição, que será submetida a um referendo nacional.

Propriedade de mineração

No mês passado, a Comissão de Meio Ambiente da Convenção também aprovou a anulação das concessões de mineração localizadas em terras indígenas. Nos próximos dias, ela deve discutir outra proposta sobre a propriedade pública de recursos naturais, que estabelece um prazo temporário para a propriedade mineradora.

A proposta indica que a anulação das concessões de mineração em terras indígenas se aplicará às licenças, autorizações ou concessões que tenham sido outorgadas ou implementadas sem o consentimento prévio, livre e informado das comunidades indígenas do território ou devida consulta.

No entanto, também estabelece que as licenças, autorizações ou concessões serão avaliadas em até dois anos e poderão ser restabelecidas após a realização dos processos de consulta e aprovação por parte das comunidades indígenas.

Por outro lado, a proposta sobre a duração das concessões afirma que elas seriam outorgadas por um procedimento administrativo e medidas para informar os cidadãos.

A integrante da Convenção María Trinidad Castillo, que promove esse projeto, disse ao jornal La Tercera que isso daria aos investidores mais segurança jurídica em relação ao que está estabelecido na proposta de nacionalização, devido ao fato de que os titulares de concessões de mineração teriam até cinco anos, prorrogáveis por mais dois anos, para se adaptar ao novo regime.

No Chile, as concessões de mineração são outorgadas judicialmente e, se forem para exploração, atualmente duram dois anos, prorrogáveis por mais dois se pelo menos metade da área coberta no pedido original permanecer inexplorada.

A Sonami já propôs à Convenção Constitucional que as concessões de exploração mineral tivessem duração indefinida, enquanto as concessões de exploração fossem apenas temporárias. Já o centro de investigação de cobre Cesco sugere a alteração da duração das concessões de exploração para até três anos, prorrogáveis apenas uma vez por mais três, mas também propõe o estabelecimento de um compromisso mínimo de investimento e o aumento do custo da licença anual.

Entretanto, o conselho mineiro, que representa grandes mineradoras, propõe que se mantenham os pagamentos anuais das licenças das concessões mineiras.

O Chile é o maior produtor de cobre do mundo e tem uma carteira de quase US$ 70 bilhões em investimentos potenciais no setor durante esta década.

Crédito da foto: Codelco

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos

Tenha informações sobre milhares de projetos na América Latina, desde estágio atual até investimentos, empresas relacionadas, contatos importantes e mais.

Outras companhias

Tenha informações sobre milhares de companhias na América Latina, desde projetos, até contatos, acionistas, notícias relacionadas e mais.