Brasil
Análise

Brasil está ‘muito bem posicionado’ para receber investimentos em infraestrutura energética

Bnamericas
Brasil está ‘muito bem posicionado’ para receber investimentos em infraestrutura energética

O Brasil está muito bem posicionado para receber investimentos, principalmente em relação a outros países emergentes como Rússia e China, disse à BNamericas Paulo Mantovani (foto), diretor de energia da corretora de seguros e assessor de risco Marsh Brasil.

Ele acredita que a recente elevação do grau de investimento do país pela Fitch Ratings, aliada à perspectiva de queda nas taxas de juros, melhorará ainda mais as condições para novos projetos locais de infraestrutura e energia.

“A tendência é começarmos a ter um olhar diferente de seis meses atrás. Isto acaba mitigando os riscos dos projetos porque o dinheiro é contratado a um custo mais palatável, ajudando nas margens e na aprovação do investimento”, afirmou Mantovani.

Do ponto de vista dos riscos da construção, Mantovani apontou para a perspectiva de que danos decorrentes de fenômenos naturais tendem a ocorrer com maior intensidade e frequência por conta do aquecimento global.

Ele citou como exemplo hipotético o risco de vendavais e enchentes danificarem ou causarem a perda total de painéis fotovoltaicos durante a construção de uma usina solar.

Andrew George, diretor gloval da prática de energia da Marsh, afirmou que o Brasil enfrenta o desafio de manter suas usinas hidrelétricas em boas condições de funcionamento e acelerar os investimentos em sistemas isolados (ou seja, aqueles não conectados à rede de transmissão).

"Como podemos acelerar os investimentos em sistemas isolados, trazendo energia confiável a um preço viável?” perguntou ele durante evento promovido pela Marsh na quarta-feira (5) no Rio de Janeiro, apontando que os custos devem aumentar à medida que os diferentes setores da economia forem eletrificados.

Entre os desafios para o Brasil, George também destacou a necessidade de aumentar a eficiência energética, instalar medidores inteligentes de consumo e aumentar os investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação, que ainda são baixos em comparação com outros países.

Flávia Antunes, superintendente de riscos da Neoenergia, destacou a expansão da geração distribuída como um fator positivo no Brasil.

“Isto é importante porque o consumo está se aproximando da geração de energia, aumentando a eficiência”, disse ela.

Por outro lado, o país precisa discutir a democratização do mercado de energia elétrica, considerando o crescimento do mercado livre.

“O consumidor com acesso à informação vai migrar rapidamente para o mercado livre, com tarifas baixas, enquanto o consumidor de baixa renda pode estar sujeito a custos elevados [no mercado regulado]”, alertou Antunes.

Em 2022, o Ministério de Minas e Energia (MME) publicou uma portaria que permite a todos os consumidores de alta tensão, como indústrias e médias empresas, operar no mercado livre a partir de 2024. Atualmente, apenas os consumidores com carga de 500 kW ou mais podem escolher seu próprio fornecedor.

O ministério também abriu consulta pública para contribuições do mercado sobre o cronograma de abertura das unidades de baixa tensão. O cronograma sugerido libera o acesso para unidades comerciais e industriais a partir de 2026 e para residências a partir de 2028.

Tenha acesso à plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina com ferramentas pensadas para fornecedores, contratistas, operadores, e para os setores governo, jurídico e financeiro.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Energia Elétrica (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Energia Elétrica (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Norte Energia S.A.  (Norte Energia)
  • Norte Energia SA é um consórcio construtor formado por Eletronorte, Neonergia, Cemig, Light, J Malucelli Energia, Vale e Sinobras. Foi criada para construir o projeto da Mega Hi...
  • Companhia: FazSol Energias Renováveis  (FazSol)
  • A descrição contida neste perfil foi retirada diretamente de fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores do BNamericas, mas pode ter sido traduzida automat...
  • Companhia: MTEC Energia
  • A descrição contida neste perfil foi retirada diretamente de fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores do BNamericas, mas pode ter sido traduzida automat...
  • Companhia: CGR Energia e Engenharia Ltda.  (CGR Energia)
  • A descrição contida neste perfil foi retirada diretamente de fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores do BNamericas, mas pode ter sido traduzida automat...
  • Companhia: Zest Energia S.A.  (Zest Energia)
  • A descrição contida neste perfil foi extraída diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores da BNamericas, mas pode ter sido traduzida aut...