Brasil
Análise

Por que a Petrobras cancelou projeto para nova unidade de processamento de gás?

Bnamericas Publicado: sexta-feira, 13 maio, 2022
Por que a Petrobras cancelou projeto para nova unidade de processamento de gás?

A Petrobras decidiu tratar o gás natural de seu projeto em águas profundas da bacia de Sergipe-Alagoas na parte superior do FPSO (P-81), disse à BNamericas uma fonte próxima ao assunto sob condição de anonimato.

Isto significa que a empresa não terá que construir uma unidade de processamento de gás natural (UPGN) no continente, apenas uma instalação de recebimento e equalização, o que exigirá menor investimento.

A Petrobras lançou um pedido de informações (RFI) para avaliar as condições de mercado para a construção de uma UPGN. Entretanto, após estudos adicionais, cancelou o projeto por concluir que o gás do empreendimento tem teor de CO₂ inferior ao inicialmente esperado e pode ser tratado no FPSO.

“É uma solução semelhante à que a Equinor adotou para o Pão de Açúcar [projeto de gás na bacia de Campos]”, disse a fonte.

Outra fonte familiarizada com o assunto disse que a Petrobras pode optar por inicialmente reinjetar o gás e só exportá-lo para o continente na segunda etapa de desenvolvimento do projeto.

A Petrobras se recusou a comentar o assunto quando contatada pela BNamericas.

O início da produção em águas profundas da costa sergipana está previsto para 2026 por meio de um FPSO capaz de extrair 120 mil b/d de óleo e exportar 8 MMm³/d de gás, via um novo gasoduto composto por trechos offshore e onshore de 100 km e 28 km, respectivamente.

Recentemente, a Petrobras desqualificou a proposta da Ocyan para construir e operar P-81, segundo fontes envolvidas no processo licitatório.

Em entrevista coletiva na semana passada, o diretor de desenvolvimento de produção da empresa, João Henrique Rittershaussen, afirmou que não poderia comentar o assunto porque o processo ainda estava em aberto.

Espera-se que um segundo FPSO seja instalado na área em data posterior a 2026, mas isso ainda não foi confirmado.

Localizada em lâmina d'água de aproximadamente 2.400 m, a área de águas profundas de Sergipe engloba sete campos declarados comerciais pela Petrobras em janeiro passado: Budião, Budião Noroeste, Budião Sudeste, Palombeta, Cavala, Agulhinha e Agulhinha Oeste para as áreas dos blocos exploratórios BM-SEAL-4, BM-SEAL-4A, BM-SEAL-10 e BM-SEAL-11.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Óleo e Gás (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Óleo e Gás (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Enauta Energia S.A.  (Enauta)
  • A Enauta Energia SA, anteriormente Queiroz Galvão Exploração e Produção, uma subsidiária da empresa brasileira Construtora Queiroz Galvão SA, se dedica à exploração e produção d...
  • Companhia: Equinor Brasil Energia Ltda.  (Equinor Brasil)
  • Equinor Brasil Energia Ltda. (Equinor Brasil), subsidiária da norueguesa Equinor, antiga Statoil, criada em 2000 no Rio de Janeiro, se dedica à exploração e produção de petróleo...
  • Companhia: Reunion Engenharia Ltda  (Reunion Engenharia)
  • A descrição contida neste perfil foi extraída diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores da BNamericas, mas pode ter sido traduzida aut...