Chile
Perguntas e Respostas

A solução biotecnológica de uma startup chilena para o setor de mineração

Bnamericas Publicado: quinta-feira, 11 agosto, 2022
A solução biotecnológica de uma startup chilena para o setor de mineração

A gestão eficiente de rejeitos de minas está se tornando cada vez mais relevante, pois as operações devem permanecer competitivas e se tornar ambientalmente sustentáveis.

A startup chilena Domolif oferece uma alternativa para os clientes atingirem ambos os objetivos por meio de soluções biotecnológicas com bactérias. Sob o conceito de economia circular, a Domolif se concentra tanto na produção de material de construção, usando rejeitos de mineração, quanto em formas de retardar a corrosão de aquedutos.

Nesta entrevista à BNamericas, sua CEO, Pamela Chávez, explica como funcionam as soluções.

BNamericas: Quais foram os desafios de mineração que motivaram a Domolif a buscar uma solução de biotecnologia para gestão de rejeitos?

Chávez: A indústria de mineração tem vários processos que podem ser poluentes. Quando começamos a trabalhar na mineração [em 2014], percebemos que 70% da água de rejeitos era perdida por infiltração e/ou evaporação. É por isso que buscamos soluções através da microbiologia.

Primeiro propusemos uma disposição mais segura dos rejeitos, transformando-os de lodo em sólido. Então encontramos algumas bactérias que são capazes de segmentar os rejeitos para recuperar a água e analisamos como usar os rejeitos da mineração como matéria-prima para fazer outra coisa. Enquanto o país pensava em como controlar os rejeitos, estávamos fazendo pilotos para fabricar cimento dos rejeitos. Foi assim que surgiu o concreto verde, que visa fazer materiais pré-fabricados utilizando materiais 100% provenientes de rejeitos de mineração.

Outro grande problema da mineração é a poluição por material particulado que atinge as pessoas ao respirar o alto teor de sílica que possui essa poeira. No Chile, existe um plano nacional para erradicar a silicose até 2030, mas os números vêm aumentando porque a extração aumentou e, portanto, o movimento de terras também.

Quando procuramos as soluções que existiam para este problema, encontramos apenas materiais de proteção como máscaras ou capuzes de extração, mas nenhum deles cuidava do local. Lá encontramos um microrganismo capaz de extrair as moléculas de oxigênio do dióxido de sílica respirável para convertê-las em cristais de maior peso molecular. Devido ao seu peso, não ficam suspensos e tornam-se irrespiráveis.

Atualmente, estamos em processo de validação e comercialização deste produto para erradicar definitivamente a sílica da fonte emissora.

BNamericas: Quais benefícios o concreto verde traz para a indústria?

Chávez: Fazemos um substituto do cimento. Em termos de capacidade instalada, se toda a indústria cimenteira fosse um país, seria o terceiro país mais poluente do mundo. Não é uma empresa sustentável. Mas há mais consciência sobre a importância do uso de materiais sustentáveis, como o concreto verde, para a construção.

BNamericas: E a água recuperada dos rejeitos?  

Chávez: A água é reinjetada e vai para o concentrador. Esta água é muito mais barata do que a água dessalinizada. Portanto, a recuperação da água dos rejeitos traz grandes benefícios ao processo.

BNamericas: Quais mineradoras estão usando esse tipo de inovação?

Chávez: Estamos trabalhando com Antofagasta Minerals e BHP, mas há interesse mundial e eles nos ligaram da Austrália e do Brasil.

BNamericas: Que investimento é necessário para adotar essas tecnologias?

Chávez: Não é tão caro quanto você pensa. Esta aplicação surge de um esforço conjunto entre a mineradora e as equipes de pesquisa para resolver gargalos gradativamente. Em investimento, os próprios clientes estão motivados e investem nos primeiros passos de pesquisa que se fazem necessários.

BNamericas: Qual é o papel da Domolif em projetos de biotecnologia para mineração?

Chávez: Grande parte da disposição e recuperação de rejeitos é realizada em testes-piloto para determinar sua viabilidade. Muitas empresas estão testando. Em particular, a empresa Escondida estudou bem essas tecnologias. Com eles pilotamos no depósito de Laguna Seca e funcionou muito bem.

A particularidade da fabricação de cimento se deve à forma como os rejeitos são dispostos, portanto, são mudanças que dependem das empresas. Atuamos como desenvolvedores das tecnologias que permitem que esses tipos de transformações ocorram.

BNamericas: O que falta para aperfeiçoar suas soluções?

Chávez: Estamos avaliando os espessantes, pois os rejeitos são concentrados ou engrossados para retirar o máximo de água possível com um limite relacionado à biologia com que os rejeitos saem dos depósitos. Esse processo de espessamento já é uma grande revolução, mas ainda faltam tecnologias, como a implementação de um reômetro online que permite avisar quando os rejeitos estão prontos para serem descarregados.

É importante controlar a reologia para fazer melhorias no espessante e medir a composição das partículas que eventualmente chegarão ao espessante. Dessa forma, será possível determinar melhor os espaçamentos e tempos de recuperação da água. Pelo que vimos no mundo, ninguém usa essa ferramenta que permite obter materiais de construção a partir de rejeitos.

BNamericas: Você comercializará as inovações?

Chávez: Estamos desenvolvendo um produto que utiliza floculante para diminuir o consumo de suculentos e otimizar a circulação da água com as particularidades dos sólidos. Falta desenvolvimento tecnológico nessas áreas, mas estamos avançando. Por enquanto queremos dar a conhecer esses primeiros grandes passos e continuaremos avaliando como obter maior resistência e melhores resultados em 100% dos rejeitos.

BNamericas: Além dos rejeitos, em que outras áreas da operação de mineração a biotecnologia pode ser incluída para consolidar uma economia circular?

Chávez: Outro serviço que oferecemos é a integridade dos materiais que surgem como produto da corrosão. À medida que aumenta a dessalinização e o transporte de água do mar, seja como água do mar, água dessalinizada ou como uma mistura de água de diferentes fontes, por exemplo, de usinas termelétricas, é gerada corrosão no transporte. Isso porque a água contém bactérias e agentes biológicos que aceleram a corrosão nas faces internas dos dutos.

Para isso desenvolvemos um serviço especializado de monitoramento, controle e avaliação de revestimentos e materiais que utilizam biocidas e agentes de controle de corrosão. Atuamos como inspetores para verificar se tudo está funcionando bem, a fim de evitar paralisações nas plantas devido a eventos de corrosão.

BNamericas: Quais projetos você tem para usinas de dessalinização?

Chávez: Temos projetos tanto para consumo doméstico quanto para uso industrial. Somos especialistas na área graças ao nosso conhecimento de microrganismos e organismos marinhos. Mas, infelizmente, a maior parte da engenharia das usinas de dessalinização não considera esses elementos e os dutos de adução de água na mineração nunca atingem os anos de vida útil prometidos; geralmente duram menos de cinco anos, pois os materiais devem estar mudando.

Medimos a corrosão e avaliamos os produtos necessários para pará-la e prolongar ao máximo a vida útil das tubulações, que é um dos maiores investimentos em projetos. Avaliamos a indução de água para grandes empresas, definindo os tipos de tubos necessários, revestimentos etc. Os projetos levam em média 10 anos e nesse período ocorrem várias mudanças.

Por exemplo, começamos com um projeto de usina de dessalinização em 2011 e hoje todos os valores de água, seja por fenômenos de evaporação, poluição, novos afluxos de água continental, atividade vulcânica etc., alteraram os dados iniciais do projeto. Portanto, o monitoramento deve ser permanente.

BNamericas: O que fazer em caso de vazamento de rejeitos de mina?

Chávez: Avisamos muito antes para que isso não aconteça e usamos materiais para reverter e proteger os efeitos da corrosão, principalmente em ambientes marinhos.

As mudanças climáticas vêm afetando as operações. Por exemplo, as docas das usinas de dessalinização que estão em Antofagasta costumavam receber 20 maremotos por ano, hoje elas têm 20 maremotos por mês.

Há também o problema dos invertebrados marinhos, já que grandes quantidades de água-viva saem dos filtros, o que não acontecia antes. Hoje chove em lugares que nunca choveu antes e o que não choveu em 100 anos, chove em 2 horas. Os danos das mudanças climáticas excedem a engenharia.

No ano passado, chuvas incomuns também sobrecarregaram as operações na Collahuasi [mina de cobre], destruindo a infraestrutura projetada para resistir ao pior terremoto e à chuva prevista de 200 anos. Mas hoje as mudanças climáticas mudaram os números, as chuvas, as ondas etc. Aqui nosso apoio é essencial para prevenir desastres, redistribuir materiais e reforçar pontos fracos, antes que os desastres ocorram, pois no final isso é muito mais caro do que a manutenção programada.

 

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Água e Resíduos (Chile)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Água e Resíduos projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Água e Resíduos (Chile)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Água e Resíduos companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Ciclo S.A.  (Ciclo)
  • Ciclo SA é uma empresa chilena de tratamento de resíduos industriais, localizada na Região Metropolitana, que iniciou suas operações em 2000. Atualmente está desenvolvendo uma p...
  • Companhia: Consorcio Embalse Chironta
  • O consórcio formado pela construtora chilena Besalco e a subsidiária chilena da espanhola Dragados conquistou o contrato para desenvolver um projeto de regularização dos recurso...