Peru , Uruguai , Equador , Costa Rica , Chile e México
Perguntas e Respostas

‘CPTPP é o acordo do futuro’, afirma comissário britânico

Bnamericas
‘CPTPP é o acordo do futuro’, afirma comissário britânico

No mês passado, o Reino Unido aderiu formalmente ao Acordo Abrangente e Progressivo para Parceria Trans-Pacífico (CPTPP), um bloco comercial Ásia-Pacífico no valor de cerca de 12 trilhões de libras (US$ 15 tri) em PIB, que inclui Chile, Peru e México.

Outros membros são Austrália, Brunei, Canadá, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Singapura e Vietnã. Os acordos foram assinados em 2018. No início do ano anterior, Donald Trump retirou os EUA da precursora, a Parceria Trans-Pacífico.

De acordo com uma avaliação de impacto realizada pelo governo britânico, o aumento de longo prazo do PIB seria de 2 bilhões de libras, ou 0,06%, mas poderia ser maior se outros países, como a Coreia do Sul, se juntassem ao clube.

Para saber mais e obter uma visão geral do que isso significa para os países signatários da América Latina, a BNamericas realizou uma entrevista por e-mail com Jonathan Knott, comissário comercial do Reino Unido para a América Latina e o Caribe.

BNamericas: Por que o Reino Unido quis aderir ao CPTPP? É um movimento estratégico, visto que, embora os benefícios econômicos hoje pareçam pequenos, países como a Coreia do Sul poderiam aderir e, por sua vez, aumentar o impacto no PIB do Reino Unido?

Knott: Costumo dizer que o CPTPP é o acordo do futuro. Veja bem, a região do Indo-Pacífico representará a maior parte do crescimento global e cerca de metade dos consumidores de classe média do mundo nas próximas décadas.

Agora, com o Reino Unido, o CPTPP tem um PIB combinado de 12 trilhões de libras, e isto pode aumentar rapidamente com a adesão de novas economias. Por exemplo, Costa Rica, Equador e Uruguai solicitaram formalmente a adesão. Tailândia, Filipinas e República da Coreia, como você mencionou, também manifestaram interesse em ingressar.

Se essas economias se juntassem ao CPTPP com o Reino Unido, o PIB combinado aumentaria para pouco mais de 14 trilhões de libras e cobriria 9% de todas as exportações anuais do Reino Unido, portanto estamos falando de um bloco com grande potencial.

BNamericas: Para Chile, Peru e México, qual é a importância da adesão do Reino Unido ao CPTPP?

Knott: O CPTPP também cria novas oportunidades para negócios nesses países. Juntar-se ao CPTPP não apenas aproximará o Reino Unido do México, Chile e Peru, mas também criará benefícios para esses países além dos acordos bilaterais existentes. Isso facilitará o desenvolvimento de vínculos e operações da cadeia de suprimentos mais fortes e diversificados, tarifas baixas, maior segurança jurídica para investidores e provedores de serviços e melhorará a competitividade das empresas para contratos com o governo do Reino Unido.

BNamericas: Há oportunidades específicas na América Latina que estão piscando intensamente no radar do Reino Unido? Por exemplo, exportações de tecnologia ou serviços de energia limpa e comércio digital?

Knott: O CPTPP tem um capítulo digital dedicado a facilitar o comércio digital e apoiar nossos setores de serviços financeiros. Em particular, o Reino Unido e os três países latino-americanos são avaliados como estando entre os mais abertos a serviços habilitados digitalmente. Os capítulos digitais e de telecomunicações modernos permitirão operações de negócios melhores e personalizadas e maximizarão as oportunidades para o comércio digital.

Além disso, o CPTPP fornecerá opções para expandir nosso ecossistema de exportadores, permitindo que PMEs e startups façam mais negócios, e essas empresas tendem a ser impactadas de forma desproporcional por barreiras comerciais. Isso ocorre porque o capítulo dedicado às PMEs do CPTPP permitirá o livre acesso às informações necessárias para que as PMEs britânicas e latinas aproveitem as novas oportunidades comerciais.

BNamericas:   E os serviços financeiros? O CPTPP estabelece incentivos? O Chile, por exemplo, busca construir uma indústria verde exportadora de hidrogênio, um objetivo que exigiria bilhões de dólares em investimentos. O país também precisará de vários gigawatts de nova capacidade renovável, juntamente com investimentos significativos em transmissão e distribuição para apoiar seu impulso líquido zero em 2050.

Knott: Esta é uma ótima pergunta. O Chile é realmente um mercado com grande potencial. Pude visitar a região de Magalhães no ano passado e tive uma boa visão geral da estratégia nacional daquele país para o hidrogênio verde. A relação comercial Reino Unido-Chile é forte: o Chile foi o primeiro país com o qual o Reino Unido assinou um acordo comercial de continuidade, um acordo temporário destinado a garantir a continuação do comércio entre os dois países após o período de transição do Brexit.

Agora, nossos vínculos comerciais serão substancialmente atualizados, as barreiras removidas e o acesso ao mercado melhorado, enquanto áreas-chave como economia digital, serviços financeiros e investimentos são cobertas. O Chile receberá melhores compromissos de liberalização de investimentos do Reino Unido, o que representa uma melhoria significativa no acesso dos investidores chilenos a esse mercado.

A adesão do Reino Unido ao CPTPP também tornará mais fácil para o Chile desenvolver o reconhecimento de qualificações profissionais com o Reino Unido por meio de seu anexo sobre serviços profissionais, e os reguladores chilenos trabalharão melhor com seus colegas para abrir oportunidades para profissionais chilenos.

BNamericas: Em termos de fluxo comercial da América Latina para o Reino Unido, quais áreas podem gerar oportunidades para Chile, Peru e México?

Knott: O CPTPP trará benefícios adicionais para os países latino-americanos além dos acordos bilaterais existentes, incluindo tarifas reduzidas sobre produtos agrícolas, por exemplo, que terão um impacto positivo nas empresas latino-americanas e britânicas, de todos os portes.

Por exemplo, em 2021, mais de 2.800 PMEs britânicas exportaram mercadorias para o México e pelo menos 1.000 PMEs britânicas importaram do México. Especificamente, o México terá acesso permanente às cotas tarifárias CPTPP compartilhadas do Reino Unido para carne bovina, suína e de frango.

As tarifas também serão eliminadas nas exportações de mel e chocolate do México para o Reino Unido. Em outro exemplo, o Peru receberá reduções de tarifas para exportações de banana e acesso adicional a cotas tarifárias. As tarifas também serão cortadas nas exportações de sucos de frutas e alho do Peru para o Reino Unido.

Em suma, o CPTPP traz a abertura para expandir nossos laços comerciais, diversificar e entregar benefícios para essas empresas, que tendem a ser desproporcionalmente impactadas por barreiras comerciais. O CPTPP simplificará nossos processos e procedimentos de exportação.

BNamericas: Que outras mensagens que você deseja comunicar aos leitores da BNamericas?

Knott: Como considerações finais, acho importante ressaltar três pontos:

1) A adesão do Reino Unido ao CPTPP levará a um relacionamento comercial mais forte com a América Latina. Por exemplo, mais de 99% das atuais exportações de mercadorias do Reino Unido para membros do CPTPP são elegíveis para tarifas zero. Isto por si só significa uma redução drástica no custo de negociação, o que pode aumentar a lucratividade dos negócios nesses mercados latino-americanos. Além disso, não são apenas as empresas que se beneficiarão, a redução das tarifas sobre mercadorias importadas para o Reino Unido de nações latino-americanas permitirá que os consumidores britânicos tenham acesso a uma variedade maior de mercadorias, a preços mais competitivos. Isto pode variar de produtos de alta qualidade, como sucos de frutas chilenas e peruanas, a mel e chocolate mexicanos.

2) O CPTPP é projetado para beneficiar empresas de todos os tamanhos, desde pequenas e médias empresas até grandes corporações multinacionais e aquelas dentro das cadeias de suprimentos globais. O bloco possui disposições específicas que facilitam o acesso das PMEs a esses mercados, estimulando o crescimento e a expansão. Por outro lado, empresas maiores, especialmente aquelas envolvidas em cadeias de suprimentos globais, podem desfrutar de operações mais tranquilas e econômicas devido a tarifas reduzidas e maior harmonização de regulamentações.

3) A entrada em vigor levará algum tempo, por isso é essencial entender que o impacto total será visto em um período mais longo. Nos próximos anos, o Reino Unido planeja desenvolver o combate ao protecionismo e a criação de oportunidades para negócios tanto no Reino Unido quanto na América Latina. É um compromisso com o mercado latino-americano e levará a acordos comerciais mais profundos, novas parcerias e oportunidades.

Ao incentivar ativamente o livre comércio, a entrada do Reino Unido no CPTPP ajudará a promover uma economia global robusta, aberta e competitiva que oferecerá benefícios a todos os participantes, incluindo México, Chile e Peru.

Tenha acesso à plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina com ferramentas pensadas para fornecedores, contratistas, operadores, e para os setores governo, jurídico e financeiro.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos

Tenha informações sobre milhares de projetos na América Latina, desde estágio atual até investimentos, empresas relacionadas, contatos importantes e mais.

Outras companhias em: Risco Político e Macro (Chile)

Tenha informações sobre milhares de companhias na América Latina, desde projetos, até contatos, acionistas, notícias relacionadas e mais.

  • Companhia: Asociación de Aseguradores de Chile A.G.  (AACH)
  • A Chilean Insurance Assocation AG (AACH) é uma associação sem fins lucrativos, composta por 56 seguradoras, constituída em 1899 para promover o desenvolvimento e a proteção das ...