China e Chile
Perguntas e Respostas

Quem vai pagar pela transição ecológica dos países em desenvolvimento?

Bnamericas Publicado: quarta-feira, 29 junho, 2022
Quem vai pagar pela transição ecológica dos países em desenvolvimento?

O Chile se tornou o primeiro país da América Latina com cheque especial ecológico em 2022, o que significa que já gastou todos os recursos naturais que pode regenerar no ano.

Isso ocorre em meio às discussões internacionais em torno dos acordos climáticos e das necessidades de financiamento dos países em desenvolvimento para se adaptar e mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Em nível local, o Chile está entrando nas fases finais de seu processo constitucional antes do referendo de 4 de setembro, onde será votada uma proposta que, entre outros aspectos, busca acelerar a transição ecológica.

Nesse contexto, a BNamericas conversou com Alberto Contardo-Sfeir, fundador da empresa local de produtos biodegradáveis Empaque Sustentable, sobre a responsabilidade dos países diante dessa dívida ecológica e as causas do saque a descoberto do Chile.

BNamericas: Nas negociações climáticas globais, uma das questões mais controversas é relativa a “perdas e danos”. Os países em desenvolvimento pediram mais ação a respeito, mas enfrentam oposição de nações industrializadas, que também se opuseram à ideia de discutir compensações. Você acha que a discussão acabará por tender para a compensação?

Contardo-Sfeir: Há uma história no mundo corporativo sobre isso. Quando há algum tipo de entidade, instituição ou pessoa que incorreu danos sistemáticos por um período prolongado, e então é possível validar que gerou danos ao longo do tempo, é lógico do ponto de vista punitivo compensar aqueles que sofreram danos.

Isso aconteceu em casos altamente divulgados nas indústrias de tabaco e fast food, ou associados a questões culturais, como genocídio ou abuso de outras culturas.

Então, a lógica que impõe é legal, tem antecedentes históricos e é razoável. Esta é uma questão que foi deixada de fora da discussão da COP até a cúpula do ano passado, na Escócia, e então esses atritos começaram porque logicamente as pessoas que têm que assumir essa dívida histórica não querem pagá-la.

Os países que hoje precisam dar um salto quantitativo na forma de desenvolver seus modelos econômicos, sociais e de consumo não têm recursos para isso.

As economias em desenvolvimento precisam saltar de uma economia agrária para uma economia industrial e também acelerar rapidamente para uma indústria 4.0 onde os processos são totalmente digitalizados e automatizados.

Esse salto, que para os países desenvolvidos foi progressivo e que em 200 anos de revolução industrial estava destruindo os países pobres, impede que estes deem o salto no curto prazo.

Morei na China por vários anos e participei de fóruns sobre desenvolvimento social e questões ambientais. Em uma ocasião, tive que ver dois pesos pesados da política internacional chinesa e alemã, respectivamente, e nesse diálogo o lado chinês disse: “[A Alemanha] tem a tecnologia para nos ajudar a dar esse salto e parar de poluir. É por isso que você é tão responsável quanto nós. Mas, em vez de colaborar com essa solução, eles querem vendê-la”.

Colaboração nesse espaço é o mínimo que se exige, ainda mais em um mundo em que, depois da Covid, são impressos US$ 8 trilhões ou mais para ajudar as empresas a não falir, mas nesse mesmo cenário, no campo ambiental e social, não queremos dar a mesma contribuição para ajudar os países em desenvolvimento.

Então, é compreensível que os países que são forçados a dar um salto quântico em seu desenvolvimento econômico exijam compensações para ajudá-los a investir, caso contrário o salto é muito complexo.

BNamericas; Quais setores econômicos do Chile são os maiores responsáveis pela dívida ecológica?

Contardo-Sfeir: Logicamente, os negócios associados a uma economia extrativista têm um impacto que deve ser mitigado, eliminado e compensado. Por outro lado, todas as indústrias que geram dejetos e resíduos também devem mitigar, eliminar ou compensar esse impacto.

Na verdade, toda a economia tem de repensar a forma como criamos riqueza, e preocupar-se tanto com a génese da forma como criamos valor como com o fim do ciclo de consumo, que não deve ter desperdício ou impacto social negativo.

BNamericas: Uma coisa é falar de dívida interna do setor público e privado, mas o Chile depende muito de suas exportações. Qual o peso dos parceiros de comércio exterior do Chile na dívida ecológica?

Contardo-Sfeir: A dívida ecológica deve ser vista do ponto de vista da economia local. Se estou gastando mais do que efetivamente posso gastar de acordo com minha renda, a responsabilidade não é de quem me oferece coisas que posso continuar consumindo. A responsabilidade está em que eu estou gastando mais do que deveria, ou meu dever é aumentar minha renda para aumentar minhas despesas proporcionalmente.

Portanto, não acho que a responsabilidade seja de nossos parceiros de negócios, mas sim de como, no Chile, inovamos e mudamos nossa maneira de gerar riqueza em todos os níveis, não apenas em nível pessoal, mas também respeito aos bens e serviços que posteriormente são comercializados nacional e internacionalmente.

Essa é a lógica com a qual se percebe esse conceito de “saque a descoberto” baseado em recursos naturais.

BNamericas: Você acha que o projeto constitucional está avançando no que diz respeito ao tratamento dessa dívida?

Contardo-Sfeir: É uma pergunta bastante difícil porque eu não sou um advogado constitucional, então minha opinião é relativamente banal.

Como cidadão particular, acho que isso está indo em uma direção que seria melhor do que a atual. Há alguns elementos na proposta constitucional que colocam o meio ambiente e a sociedade em uma nova posição.

BNamericas: Dado que a questão central da discussão constitucional tem sido o novo papel do Estado na economia, quão central deve ser o papel do setor público na gestão da dívida ecológica?

Contardo-Sfeir: Em geral, para o Estado e o setor público, tanto no Chile como no resto do mundo, seus fiadores são os cidadãos, e essa é uma visão que deve ser sempre mantida.

O Estado deve assegurar o bem-estar de todos os seus cidadãos; então acho que a métrica que o setor público deve levar em conta é se as ações que se pratica ou se deixam de praticar estão tendo um impacto positivo nos cidadãos. Não é uma receita específica. A bússola deveria estar baseada nisso.

 

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Água e Resíduos

Tenha informações cruciais sobre milhares de Água e Resíduos projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Água e Resíduos

Tenha informações cruciais sobre milhares de Água e Resíduos companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Australian Trade Commission  (Austrade)
  • A Australian Trade and Investment Commission (Austrade) é a agência de promoção comercial internacional e atração de investimentos do governo australiano. Geramos informações e ...
  • Companhia: Consorcio SSA
  • O Consórcio SSA é uma parceria formada pela Saneamento Construção e Comércio Ltda, Sahliah Engenharia Ltda e Arco Projetos e Construções Ltda. para a implantação dos projetos Si...
  • Companhia: Business Finland Oy  (Business Finland)
  • A descrição incluída neste perfil foi retirada diretamente de uma fonte oficial e não foi modificada ou editada pelos pesquisadores do BNamericas. No entanto, pode ter sido trad...
  • Companhia: Siemens A.G.  (Siemens)
  • A Siemens AG (Siemens) é uma empresa global com sede na Alemanha e fundada em 1847 que se concentra nas áreas de automação e digitalização, infraestrutura inteligente, mobilidad...