Brasil
Feature

Brasil levanta US $ 8,5 bi em leilão 5G

Bnamericas Publicado: sábado, 06 novembro, 2021
Brasil levanta US $ 8,5 bi em leilão 5G

O Brasil levantou cerca de 47,2 bilhões de reais (US $ 8,5 bilhões) em seu leilão de espectro 5G , tornando-se o segundo maior leilão de ativos da história do país.

A maior parte desse total será convertida em investimentos e, portanto, o governo só arrecadará uma pequena quantia. O total arrecadado inclui taxas de licenciamento, compromissos de investimento e prêmios.

A licitação, que durou dois dias, ficou atrás apenas da licitação do pré-sal de 2019, que movimentou quase R $ 70 bilhões, disse o ministro das Comunicações, Fábio Faria, em entrevista coletiva.

Em termos nominais não ajustados pela inflação, os recursos arrecadados para quatro bandas de frequência também foram maiores do que o total arrecadado na privatização do setor de telecomunicações na década de 1990 e nos leilões 3G (7 bilhões de reais) e 4G (12 bilhões de reais) combinados.

Foram vendidos cerca de 85% (43) da gama de blocos de espectro oferecidos, Abraão Balbino, conselheiro do regulador   A Anatel e presidente da comissão de licitações, afirmou em nota.

No segundo dia da licitação, a Anatel vendeu licenças na banda de 26GHz. Foram vendidos seis dos 10 blocos nacionais de 200 MHz naquela faixa, totalizando 1,2 GHz de capacidade de rede contratada, de 2 GHz disponíveis. Doze dos 42 blocos não nacionais (regionais) de 200 MHz também foram vendidos.

Embora nem todos os lotes tenham sido arrematados, o que era esperado já que alguns eram “redundantes”, segundo Balbino, os preços do leilão ficaram em 218% (5 bilhões de reais) sobre o preço mínimo estabelecido para os vendidos.

Fonte: Anatel

Anatel espera assinar concessão  termos com os vencedores na segunda quinzena de dezembro, segundo Balbino. Faria disse que o governo está trabalhando em uma licitação para bandas que não foram vendidas , que provavelmente será lançada em 2022.

OS VENCEDORES

Ao todo, 11 operadoras compraram frequências: as três líderes de mercado Telefônica Brasil (Vivo), Claro e TIM , as operadoras regionais Algar Telecom e Sercomtel (controlada pelo fundo de Bordeaux), e seis novos entrantes em serviços móveis.

As compras da Claro totalizaram mais de 1,7 bilhão de reais, enquanto as da Telefônica foram mais de 1,1 bilhão de reais e as da TIM pouco mais de 1 bilhão de reais, nas bandas 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz. O espectro de 3,5 GHz é considerado o principal para 5G.

A Algar Telecom pagou 64,7 milhões de reais por lotes regionais nas faixas de 3,5 GHz, 2,3 GHz e 26 GHz. A empresa comprou quase todo o espectro de 26 GHz oferecido para sua área de atuação, tornando-se a operadora com maior quantidade de espectro disponível em um único local desta banda.

A Sercomtel pagou 82 milhões de reais por um bloco regional na faixa de 3,5GHz.

NOVOS JOGADORES

Os novos players são Winity II Telecom (controlada pelo fundo Pátria ), Brisanet , Fly Link (ISP mineira), Neko Serviços e Comunicações e Entertainment and Education (controlada pela MVNO e prestadora de serviços B2B Surf Telecom ), Consórcio 5G Sul (consórcio ISP formado pela Copel e Unifique ) e Cloud2U Indústria e Comércio de Equipamentos Eletrônicos (criado pelo fornecedor de equipamentos ópticos e de conectividade Greatek ).

A Winity pagou R $ 1,4 bilhão (um prêmio de 806%) por um bloco nacional na banda de 700 MHz para 4G, tornando-se um novo player móvel nacional.

Enquanto isso, a Brisanet pagou mais de 1 bilhão de reais por um bloco regional na banda de 3,5 GHz no Nordeste, a um prêmio de mais de 13.000%, superando em muito seu rival por este bloco, o ISP Meganet, que ofereceu apenas 9 milhões de reais.

A Brisanet também abocanhou o bloco regional na faixa de 3,5 GHz na região Centro-Oeste, com um lance de 105 milhões de reais, um prêmio de mais de 4.000%, bem como um bloco regional no Nordeste na faixa de 2,3 GHz, com um lance de 111 milhões de reais, preço mínimo.

A Winity pretende atuar no mercado de atacado, locando frequência e infraestrutura para outros players, e vai construir cerca de 5.000 torres até 2029.

Em nota, a empresa também disse estar "orgulhosa do resultado" e pronta para levar cobertura para localidades mal atendidas e interligar 35 mil quilômetros de rodovias, principais obrigações de investimento vinculadas à frequência adquirida.

O CEO da Brisanet, José Roberto Nogueira, disse que a empresa pretende combinar suas redes de fibra óptica com 5G para ofertas em pacote. Como boa parte do valor pago pelos blocos adquiridos será convertido em investimentos a serem realizados até 2029, o plano de investimentos se encaixa na estrutura de capex da empresa.

Líder em quota de mercado entre os fornecedores de serviços de Internet por fibra óptica do país, a Brisanet afirmou que a expansão da sua rede vai ajudar a impulsionar a nova tecnologia.

A empresa também deseja usar sua rede de franquia, Agility Telecom, para acelerar a implantação de 5G. A Agilidade está presente em mais de 250 localidades no Nordeste.

Outro novo concorrente, Cloud2U, de propriedade do fabricante de equipamentos de telecomunicações Greatek, oferecerá o espectro adquirido “para provedores [de serviços de Internet], que são nossos parceiros de mercado há mais de 10 anos”, disse a empresa em um comunicado.

A Cloud2U adquiriu licenças para áreas nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro.

A empresa ainda não possui um plano de negócios, mas como seus parceiros já possuem uma rede de fibra ótica implantada, “entendemos que grande parte da rede que suporta conectividade está pronta e apta a receber 5G a partir de 2024”.

A Cloud2U / Geatrek tem sede em São José dos Campos, interior de São Paulo, e a empresa possui unidades fabris na Bahia e em Minas Gerais.

Entre as grandes operadoras, a Telefônica Brasil focou em áreas de interesse estratégico para expandir sua atuação nas regiões Norte, Centro-Oeste e Sudeste.

A empresa comprou quatro blocos na banda de 2,3 GHz e dois blocos na banda de 3,5 GHz. No segundo dia de leilão, conquistou 200 MHz na faixa de 26 GHz para cobertura nacional.

“Vamos promover, de forma acelerada, o acesso digital ao maior número de pessoas e empresas possível  em todo o país. Ter uma posição de liderança no leilão está em linha com nosso objetivo de digitalizar e entregar ainda mais valor aos acionistas, funcionários, clientes e parceiros ”, disse o CEO Christian Gebara em um comunicado.

A Telefônica Brasil investe cerca de R $ 8 bilhões por ano.

De acordo com a telco, seus principais objetivos são conectar residências e empresas com fibra e consolidar sua liderança no segmento de rede móvel, onde detém 33% do mercado.

OS PERDEDORES

Grupos como a empresa de infraestrutura de telecomunicações Highline , de propriedade do fundo americano Digital Bridge , prometeram grandes investimentos no leilão, mas ficaram de mãos vazias. Um executivo do grupo, solicitando anonimato, disse à BNamericas que a empresa está bem com o resultado e se concentrará em suas principais áreas de datacenters, torres e fibra óptica.

"Embora a Highline pareça ter saído disso como uma perdedora, na verdade é uma vencedora em uma indústria próspera, onde o número de torres móveis aumentará pelo menos cinco vezes", disse a fonte. "5G nunca foi nosso foco principal."

A fonte disse ainda que os “prêmios pagos foram absurdamente altos” e que mesmo que grande parte do dinheiro possa ser convertido em investimentos, a empresa não poderia comprometer a sustentabilidade financeira de suas operações.

O consórcio Iniciativa 5G Brasil, formado por mais de 400 ISPs, também não conseguiu adquirir espectro.

Em entrevista à BNamericas , o chefe do consórcio, Suelismar Caetano, manifestou-se previamente otimismo em relação ao leilão e chegou a dizer que o grupo está a negociar financiamento com três fundos de investimento, dois da China e um dos Estados Unidos.

“Estamos felizes com o resultado, com a nossa participação, porque conseguimos nos organizar e construir um projeto viável”, disse Caetano ao BNamericas após o leilão. "Isso, por si só, já mudou o mercado."

“Mas cada ISP do consórcio tem sua realidade. E os investimentos teriam que ser viáveis ”, acrescentou.

As bandas de 700 MHz (4G) e 3,5 GHz (5G) teriam que ter sido atribuídas juntas para evitar a geração de uma operação móvel “lame-duck”, disse ele. A proposta de combinação de bandas não foi aceita pela Anatel. "Isso não faz sentido", disse Caetano.

Agora, o plano B para esses ISPs é operar sob um modelo MVNO com aqueles que compraram frequências. “Devemos ter novidades nas próximas semanas”, disse o executivo.

A associação brasileira de telecomunicações Conexis disse que o leilão mostra o grande interesse das operadoras associadas (os maiores players mais Algar e Sercomtel) e seu compromisso com o crescimento econômico do país. “O leilão é um marco para a conectividade no Brasil”, disse a empresa.

Segundo a Conexis, os investimentos vão impulsionar a economia digital, a implantação da internet das coisas, a produtividade e vão beneficiar o público.

OS DESAFIOS

O leilão foi crucial para o desenvolvimento tecnológico do país e para que as indústrias se mantenham competitivas globalmente, afirmou a confederação do setor CNI em nota.

Segundo a entidade, o 5G vai permitir a expansão da internet das coisas e possibilitar a transformação digital.

Sobre o resultado da licitação, o presidente em exercício da CNI, Glauco Côrte, disse que “entre os ganhos esperados de 5G para a indústria, por meio da IoT, estão a melhor adaptação dos estoques às demandas do mercado, a customização dos produtos de forma ágil para atender às necessidades dos clientes, a redução dos desperdícios e, como tal, dos custos associados, além do aumento da segurança do trabalhador através da realização de atividades de risco por máquinas. ”

Mas a CNI também concordou com especialistas que disseram que aantenamunicipal as leis devem ser reformadas antes que o 5G se torne viável.

A CNI estima que apenas 19 localidades possuem legislação adequada em vigor para a instalação de antenas 5G. A entidade recomenda a redução da burocracia, pois o 5G exigirá até 10 vezes mais antenas do que o 4G.

O secretário de Telecomunicações, Artur Coimbra, disse em entrevista coletiva após o leilão que o governo está trabalhando em duas frentes para enfrentar o problema das antenas.

Na esfera federal, foi publicado um decreto no ano passado regulamentando a lei de antenas de 2015, estabelecendo a regra de licenciamento tácito. As células pequenas, que deveriam ser amplamente utilizadas para 5G, também foram isentas de licenciamento.

Uma segunda frente envolve trabalhar com os municípios para criar uma legislação padrão.

“Já tivemos avanços em algumas capitais . Com esses instrumentos, acredito que não haverá problemas para a rápida instalação do 5G”, disse.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: TIC

Tenha informações cruciais sobre milhares de TIC projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: TIC (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de TIC companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Nextel Telecomunicações Ltda.  (Nextel Brasil)
  • Nextel Brasil, uma subsidiária da NII Holdings com sede na Virgínia, é uma provedora de serviços de comunicações sem fio totalmente integrados. Oferece serviços 3G de voz e Inte...