Brasil
Feature

Distribuidoras de energia do Brasil devem investir R$ 106 bi entre 2023 e 2026

Bnamericas Publicado: quinta-feira, 24 novembro, 2022
Distribuidoras de energia do Brasil devem investir R$ 106 bi entre 2023 e 2026

As distribuidoras brasileiras de energia devem investir cerca de R$ 106 bilhões (US$ 20 bilhões) entre 2023 e 2026, disse Ricardo Brandão, diretor-executivo de regulação da associação local Abradee, à BNamericas.

A previsão de capex total dessas empresas para 2022 deve chegar a R$ 32 bilhões.

“Com a retomada do crescimento econômico e a evolução tecnológica do setor elétrico, as distribuidoras precisam estar preparadas para atender à demanda dos clientes. Temos excelentes perspectivas para o setor”, comentou Brandão.

Segundo o executivo, entre 2018 e 2021 foram investidos cerca de R$ 63 bilhões em obras de ampliação, melhoria e renovação das redes de distribuição.

“A consequência é que a qualidade do serviço de distribuição elétrica em 2020 e 2021 apresentou os dois melhores resultados da série histórica, iniciada em 2000”, acrescentou.

No entanto, as distribuidoras de energia do país enfrentam um ambiente desafiador em meio à abertura do mercado doméstico.

À medida que mais consumidores migram para o ambiente de contratação livre, várias concessionárias locais estão passando por um excesso de contratação de energia.

Com isso, leilões recentes para o mercado regulado, como o leilão de energia nova A-5 realizado em outubro, contrataram volumes relativamente baixos de energia.

A melhor forma de lidar com o desequilíbrio entre o mercado regulado – que hoje garante a segurança do sistema elétrico – e o ambiente de contratação livre é uma questão que vem sendo discutida pelas autoridades locais, inclusive por meio da “Lei Federal de Modernização” do setor (PL 414/ 2021).

A demanda mínima permitida para migração para o mercado livre atualmente é de 500 kW no caso de consumidores de alta tensão. Porém, um decreto publicado no final de setembro pelo Ministério de Minas e Energia (MME) tornará todos os consumidores de alta tensão aptos a migrar, independentemente da carga, a partir de janeiro de 2024.

Segundo cálculos do ministério, com a medida, cerca de 106 mil novas unidades consumidoras poderão ingressar no mercado livre – 10 vezes o contingente atual de aproximadamente 10,7 mil consumidores.

“Se mais consumidores decidirem comprar de um varejista [no mercado livre], aqueles que ficarem no mercado regulado acabarão tendo uma carga tarifária maior”, destacou Hermano Pinto Júnior, diretor de prática de energia e infraestrutura da Informa Markets, em bate-papo com a BNamericas.

De acordo com ele, será preciso criar instrumentos de segurança para o mercado livre, exigindo garantias dos agentes vendedores de que a energia chegará aos consumidores nos horários de pico de consumo.

Outra questão delicada é a mudança nas características da rede elétrica nacional nos próximos anos com a introdução de novas tecnologias.

“Por exemplo, no caso dos carros elétricos, eles podem ser carregados em um edifício ou em um posto de gasolina na estrada, portanto a rede deixa de ser determinística e passa a ser probabilística”, explicou Pinto Júnior.

Para ele, investimentos em medidores digitais de consumo de energia e inteligência artificial serão necessários para permitir uma transição equilibrada para o mercado livre.

“A abertura [do mercado] vai exigir investimentos em redes inteligentes e melhorias na conectividade da rede. Isso terá de ser levado para uma dimensão mais micro, entendendo o comportamento de diferentes grupos de consumidores”, acrescentou Pinto Júnior.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Energia Elétrica (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Energia Elétrica (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Cerradinho Bioenergia S.A.  (CerradinhoBio)
  • Constituída em 2006, a Cerradinho Bioenergia SA (anteriormente Usina Porto das Águas SA) é uma empresa brasileira que atua na produção agrícola; fabricação e comercialização de ...
  • Companhia: Dois A Engenharia e Tecnologia Ltda.  (Dois A)
  • Dois A Engenharia e Tecnologia Ltda. (Dois A) é uma construtora familiar brasileira estabelecida em Natal desde 1999, que presta serviços de construção civil; projetos de infrae...
  • Companhia: Consórcio Mirante do Oeste Geração de Energia
  • Consórcio Mirante do Oeste Geração de Energia es una sociedad conformada por Mirante Energética S.A. y Oeste Energia Investimentos e Participações S.A. para la ejecución del pro...
  • Companhia: RZK Energia Participações Ltda.  (RZK Energia)
  • A descrição contida neste perfil foi extraída diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores da BNamericas, mas pode ter sido traduzida aut...