Chile
Notícias

Pesquisadores do Chile lançam projeto para aprimorar dados de emissões

Bnamericas Publicado: terça-feira, 27 setembro, 2022

Pesquisadores chilenos lançaram um projeto de monitoramento de emissões de gases de efeito estufa, com o objetivo central de obter dados oportunos – informações que apoiariam a tomada de decisões de conformidade com a neutralidade de carbono no governo e na indústria.

O Chile se comprometeu a atingir emissões líquidas zero até 2050, um objetivo que envolverá principalmente a garantia de investimentos nas esferas de eletrificação de transportes, eficiência energética, além de geração, transmissão e armazenamento de energia.

Atualmente, o país não possui uma fonte central e oficial que indique o cumprimento dos compromissos de emissões.

As estimativas do inventário anual de emissões de gases de efeito estufa atualmente estão entre dois e quatro anos atrasadas, e os dados do setor de energia associados são de dois anos – períodos que o projeto, conhecido como Observatorio de Carbono Neutralidad – está trabalhando para reduzir para um ano.

Atrasos na obtenção de dados geram consequências, segundo Rodrigo Palma, membro do projeto e diretor do centro de energia da Universidade do Chile. O centro de energia formou o observatório em parceria com o órgão de pesquisa climática (CR)2, com apoio financeiro do credor Scotiabank, além de patrocínio da câmara do setor de energia Generadoras de Chile e do Ministério da Energia.

Palma afirmou em uma conferência de lançamento: “Temos defasagens significativas em vários aspectos, em termos de inventários de emissões de gases de efeito estufa e visões gerais de energia, o que gera sem dúvida incerteza e não permite uma reação oportuna ao tremendo desafio à frente”.

E acrescentou que “implica dificuldades em termos de monitorização e acompanhamento da evolução das emissões”. Avisos oportunos de desvio da meta permitiriam ações corretivas precoces.

O observatório está agora procurando obter apoio financeiro para um projeto de continuação.

PREVISÕES

As estimativas do observatório indicam que as emissões de CO₂ equivalente do Chile tendem a cair até 2050, mas permanecerão mais altas do que as projeções oficiais da Contribuição Nacionalmente Determinada.

Para 2030, os pesquisadores preveem emissões de CO₂ equivalente em 103 milhões de toneladas (Mt), acima da meta nacional oficial para aquele ano de 95 Mt.

Um grande desafio é o setor de transportes – que responde por cerca de um terço das emissões de combustíveis fósseis. Para ajudar a apoiar a transição, no ano passado o então governo lançou uma estratégia nacional de eletromobilidade, que proíbe a venda de veículos leves e médios com motor de combustão interna e máquinas móveis a partir de 2035, incluindo ônibus e táxis. O hidrogênio verde é visto como uma solução para descarbonizar veículos pesados de mercadorias e caminhões de transporte de minas.

As emissões anuais de transporte devem ficar em torno de 31 Mt até 2050, enquanto as emissões do setor de energia devem cair para 3,4 Mt, de uma previsão de 28,1 Mt para este ano.

Palma explicou: “O setor de transporte precisa de mudanças tremendas, reconversão para, em particular, os veículos elétricos […] há hidrogênio. O mundo inteiro precisa deste investimento […] em eficiência energética, e o uso de hidrogênio na indústria é outra ferramenta importante.”

Ecoando os comentários de outros palestrantes, Palma acrescentou que a proteção ambiental era uma parte crítica do grande desafio à frente.

GERAÇÃO DE ENERGIA

Neste cenário, no segmento de geração de energia, o Chile oferece inúmeras oportunidades para os próximos anos. De acordo com os representantes da indústria, condições de suporte são necessárias em áreas como licenciamento, infraestrutura de transmissão, gerenciamento do operador do sistema, regulamentos e segurança do local do projeto.

Os geradores de eletricidade do Chile estão aposentando gradualmente sua frota de 28 usinas a carvão, correspondendo a cerca de 5 GW em capacidade que precisa ser substituída.

Para os 15 GW de capacidade solar e eólica necessários para substituir essa produção a carvão, são necessários cerca de US$ 20 bilhões, juntamente com cerca de US$ 10 bilhões em trabalho de transmissão e armazenamento de energia, conforme informado à BNamericas.

“Esta estimativa aproximada de US$ 30 bilhões seria o investimento necessário para eliminar o carvão”, disse Claudio Seebach, presidente executivo da Generadoras de Chile. “Isto sem considerar o crescimento da demanda decorrente da expansão econômica e aumentos na taxa de eletrificação.”

A Generadoras de Chile e a câmara de energias renováveis Acera destacaram recentemente a importância das condições e sinais que sustentam o investimento contínuo no setor.

“Sinais claros devem ser dados para o investimento que o setor de energia deve ter para avançar nos desafios que acordamos: descarbonização do setor de energia, mais renováveis, eletrificação, mais armazenar sistemas e tecnologias, e um sistema não apenas seguro, mas também economicamente eficiente, somado aos desafios territoriais e comunitários associados à instalação de projetos de modernização de geração, transmissão e distribuição com a participação dos consumidores”, disse recentemente à BNamericas Ana Lía Rojas, diretora executiva da Acera.

Um projeto de lei de armazenamento de energia e eletromobilidade permanece no Senado após receber sinal verde na Câmara no início deste ano. O ministro da Energia Diego Pardow declarou que o projeto de lei é uma prioridade.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Energia Elétrica (Chile)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Energia Elétrica (Chile)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Génesis SpA  (Génesis)
  • A descrição contida neste perfil foi retirada diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores do BNamericas, mas pode ter sido traduzida aut...
  • Companhia: Alstom Chile S.A.  (Alstom Chile)
  • A Alstom Chile SA, uma unidade local da empresa de transporte francesa Alstom SA, se dedica ao setor de transporte ferroviário, atuando como o principal fornecedor dos sistemas ...
  • Companhia: Energía Latina S.A.  (Enlasa)
  • A empresa chilena de geração de energia Energía Latina SA foi fundada em 2005. A empresa detém a propriedade de várias usinas elétricas movidas a diesel por meio de sua subsidiá...
  • Companhia: Chilquinta Energía S.A.  (Chilquinta)
  • A distribuidora e comercializadora chilena Chilquinta Energía SA atende a mais de 610.000 clientes nas províncias de San Antonio, Petorca, Valparaíso, San Felipe, Quillota e Los...
  • Companhia: Enel X Chile S.p.A.  (Enel X Chile)
  • A descrição contida neste perfil foi extraída diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores da BNamericas, mas pode ter sido traduzida aut...
  • Companhia: Ausenco Chile Ltda.  (Ausenco Chile)
  • Ausenco Chile Ltda. É uma subsidiária da empresa australiana Ausenco que fornece soluções de engenharia e infraestrutura de processos no Chile desde 1995. Sediada em Santiago, a...