Brasil
Notícias

Petrobras deve investir na modernização de refinarias, diz integrante da equipe de transição do governo

Bnamericas Publicado: quarta-feira, 07 dezembro, 2022
Petrobras deve investir na modernização de refinarias, diz integrante da equipe de transição do governo

A Petrobras precisa voltar a olhar para o refino, investindo na modernização de suas refinarias e retomando as obras paralisadas, de acordo com um importante membro da equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva para o setor de energia.

“Uma empresa do porte da Petrobras deve ser tratada como uma empresa integrada. É fundamental que ela fortaleça seu core business de E&P [exploração e produção] em águas profundas e ultraprofundas, mas isso não exclui o fato de que deve investir em outras dimensões do conjunto da cadeia produtiva em que atua”, destacou o economista William Nozaki (foto) em um webinar realizado na última terça-feira (6).

Durante o governo anterior de Lula (2003-2010), a Petrobras anunciou um plano para fazer uma expansão significativa da capacidade de refino, consistindo em obras em quatro instalações: Premium I e II, nos estados do Maranhão e Ceará, respectivamente, Abreu e Lima (Rnest), no estado de Pernambuco, e o polo Gaslub, no estado do Rio de Janeiro, antes chamado de Comperj e projetado para abrigar uma usina petroquímica.

No entanto, os escândalos de corrupção revelados pela investigação Lava Jato, da Polícia Federal, levaram à interrupção desses empreendimentos, com apenas as obras da Rnest avançando parcialmente até a conclusão de um de seus dois trens de refino projetados.

Embora seja um grande exportador de petróleo, o Brasil é um importador líquido de derivados, principalmente óleo diesel, combustível fundamental para um país enorme e que passou décadas investindo pesado em sua malha rodoviária em detrimento da malha ferroviária nacional.

“Como empresa de economia mista, a Petrobras não pode somente gerar lucros e distribuir dividendos. Também deve participar dos esforços nacionais para garantir a autossuficiência em petróleo e derivados. Esses são dois pratos de uma balança que têm que caminhar de maneira conjugada”, disse Nozaki.

Em 2019, a Petrobras assinou um acordo com o Cade para vender oito refinarias que respondiam por cerca de 50% de sua capacidade de refino. No entanto, até agora, somente as vendas de duas delas foram concluídas: Mataripe (antiga RLAM) e Reman. Outras duas plantas – Lubnor e SIX – têm contratos assinados que estão aguardando aprovações regulatórias.

A expectativa é que os processos de desinvestimento das refinarias Regap, Refap, Repar e Rnest sejam suspensos pelo governo Lula.

Para Rodrigo Leão (foto abaixo), coordenador técnico do instituto de pesquisa de petróleo Ineep, a atual estratégia da empresa de avançar com desinvestimentos na área de refino, sem fazer mais investimentos para aumentar a capacidade de refino, deixa o país vulnerável.

“Ninguém aqui se opõe ao investimento privado em refino. O que sempre criticamos é o fato de que vender as refinarias da Petrobras não vai gerar os resultados esperados e vai criar mais problemas do que soluções. As refinarias brasileiras não competem entre si”, ressaltou ele no webinar.

“Os preços altos e o desabastecimento caem na conta do Estado. Então estamos falando do Estado usando um instrumento do Estado para criar um problema para o Estado”, concluiu.

Tanto Nozaki quanto Leão também recomendaram que a Petrobras invista em inovações como o biorrefino, além de retomar os investimentos no setor petroquímico e alocar parte significativa de seu capex para fontes alternativas de energia, sejam renováveis ou biocombustíveis.

Eles também estão preocupados com a concentração da produção de petróleo e gás da Petrobras em poucas áreas, como as bacias de Campos, Santos e Sergipe Alagoas.

Na visão dos especialistas, a gigante do petróleo precisa olhar para novas fronteiras de exploração, inclusive a margem equatorial, onde a empresa planeja investir metade de seu capex para exploração até 2027.

“O futuro nos reserva um novo desafio, que é desbravar a margem equatorial, e não há empresa no mundo mais capacitada para isso que a Petrobras”, disse Nozaki.

“Outras áreas precisam ser olhadas, além do pré-sal e da própria margem equatorial, como a bacia de Pelotas [em águas profundas na costa sudeste do Brasil]”, lembrou Leão.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Óleo e Gás (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Óleo e Gás (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Vibra Energia S.A.  (Vibra Energia)
  • A Vibra Energia, antiga BR Distribuidora, é uma empresa brasileira de energia e subsidiária da gigante federal Petrobras. A empresa atua nos seguintes segmentos: postos de combu...
  • Companhia: Acelen
  • A Acelen possui mais de 31 produtos, sendo a maioria cruciais para diversos setores da economia, como: mobilidade, transporte, indústria química, farmacêutica e toda a cadeia pe...
  • Companhia: Consórcio Libra P1
  • O Consórcio Libra_P1 é responsável pelo desenvolvimento do bloco de exploração e produção offshore de Libra, localizado no Setor SS-AUP1 da Bacia de Santos. O consórcio conquist...
  • Companhia: 3R Petroleum Óleo e Gás S.A.  (3R Petroleum)
  • A 3R Petroleum Óleo e Gás é uma empresa de exploração e produção de hidrocarbonetos criada em 2010. A 3R possui operações onshore e offshore com ativos localizados nas bacias Po...