México
Feature

Mineradoras do México reduzem dependência de geradores a diesel

Bnamericas Publicado: quarta-feira, 20 julho, 2022
Mineradoras do México reduzem dependência de geradores a diesel

As empresas de mineração no México estão implementando medidas para eliminar os geradores a diesel usados para alimentar suas operações como parte de um esforço mais amplo para reduzir as emissões de gases do efeito estufa (GEE).

Embora a maioria das mineradoras do país compre eletricidade para abastecer suas usinas e outras instalações, algumas delas, cujos ativos não têm acesso à rede, dependem da energia de geradores a diesel.

Mas, com o foco crescente da indústria na descarbonização, as empresas estão mudando para alternativas com menos emissões e investindo em linhas de energia para se conectar a uma rede mais limpa.

A maioria das grandes mineradoras tem como meta zerar as emissões líquidas de carbono até 2050, em sincronia com as metas do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a menos de 2 °C.

Os geradores a diesel classe 2A produzem 977 g/kWh de dióxido de carbono, de acordo com pesquisas da UE. O número se compara aos 439 g/kWh da energia da rede no México, de acordo com a concessionária estatal de eletricidade CFE.

A transição de geradores a diesel para fontes alternativas de energia pode reduzir as emissões de carbono em até 90%.

GÁS NATURAL

Algumas mineradoras estão desativando os geradores a diesel e mudando para o gás natural.

A First Majestic Silver iniciou esse processo em 2016, quando adotou o gás natural liquefeito (GNL) em sua mina La Encantada, gerando economias significativas de custos e benefícios ambientais, disse o vice-presidente de desenvolvimento corporativo Todd Anthony à BNamericas.

Como resultado, os geradores foram implantados na mina Santa Elena, onde a capacidade de GNL está sendo expandida de 14 MW para 24 MW, o suficiente para abastecer a mina e a usina.

“A partir do final deste mês, não teremos mais geradores a diesel funcionando”, destacou Anthony.

O próximo passo é converter geradores a diesel de backup para o uso de GNL, inclusive na mina San Dimas, onde os geradores a diesel são usados na estação seca quando a energia hidrelétrica não está disponível, acrescentou.

A Altaley Mining também está tentando adotar a energia a gás natural em sua mina de ouro Tahuehueto (foto), atualmente em comissionamento, onde a energia da rede não está disponível (a mina polimetálica Campo Morado da empresa está conectada à rede).

“Assim que adquirirmos nossa licença de gás natural, passaremos para essa modalidade”, disse à BNamericas o CEO Ralph Shearing.

Espera-se que o licenciamento leve de 6 a 12 meses.

A empresa também está avaliando a possibilidade de complementar a geração com energia solar ou eólica, embora os requisitos de capital relativamente altos desta última tornem sua adoção improvável por um tempo.

LIGAÇÃO COM A REDE

A Alamos Gold também está deixando de utilizar geradores a diesel em sua mina de ouro Mulatos, no estado de Sonora, conectando-se à rede elétrica.

Esse trabalho foi adiado por causa da Covid-19, da disponibilidade de equipamentos e de mudanças regulatórias, segundo Rebecca Thompson, vice-presidente de relações públicas, em entrevista à BNamericas.

“A previsão é concluir o projeto no início de 2023”, disse ela.

A Alamos também está analisando a possibilidade de ampliar o uso de biocombustíveis nas operações como parte de sua meta de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 30% até 2030, anunciada no mês passado.

A Argonaut Gold também está em processo de mudança dos geradores a diesel para a energia da rede em sua mina San Agustín, no México, de acordo com o Relatório Anual e de Sustentabilidade de 2021 da empresa.

A companhia também registrou uma redução de 67% no uso de diesel na mina La Colorada ao mudar para energia alternativa no ano passado, segundo o relatório.

Outros detalhes não foram divulgados e a empresa não respondeu aos pedidos de comentários.

ESFORÇO PELA EFICIÊNCIA

Outras empresas estão concentrando esforços no uso eficiente de energia para reduzir as emissões.

A Agnico Eagle Mines usa geradores a diesel em sua mina La India, que, ao contrário do ativo Pinos Altos, não está conectada à rede.

“Na La India, a vida útil restante projetada para a mina hoje é relativamente curta e, portanto, não esperamos fazer investimentos significativos no momento para deixar de usar geradores a diesel”, informou a empresa em um comunicado.

“No entanto, como em Pinos Altos e todas as nossas outras minas, as equipes continuam trabalhando no local para aumentar a eficiência e reduzir o uso de energia, o que tem um impacto direto na redução de nossa pegada de GEE.”

A empresa tem o compromisso de zerar as emissões líquidas de carbono até 2050, mas os caminhos detalhados para isso ainda estão em desenvolvimento.

A intensidade média global de emissões de GEE da Agnico é de 0,37 t de dióxido de carbono equivalente por onça de ouro, em comparação com a média da indústria de 0,70 t, acrescentou a empresa.

LOCAIS REMOTOS

As minas Dolores e La Colorada da Pan American Silver estão conectadas à rede nacional e a energia é enviada por um fornecedor de energia 100% renovável.

A empresa usa um pequeno número de geradores a diesel para projetos e locais remotos em suas instalações, onde a conexão à rede é limitada, disse à BNamericas Siren Fisekci, vice-presidente de relações com investidores e comunicações corporativas.

“Estamos constantemente avaliando o custo/benefício de ampliar as conexões internas de energia para locais remotos em nossas minas e expandir as conexões de rede existentes para atender às demandas de expansão do projeto, a fim de reduzir ou eliminar a necessidade de geradores temporários a diesel”, afirmou Fisekci.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Óleo e Gás (México)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

  • Projeto: Campo Quesqui
  • Estágio atual: Borrado
  • Atualizado: 2 meses atrás

Outras companhias em: Óleo e Gás (México)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Perenco México, S.A. de C.V.  (Perenco México)
  • A descrição contida neste perfil foi retirada diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores do BNamericas. Ao se instalar no México, a Per...
  • Companhia: Grupo R
  • O Grupo R é um conglomerado mexicano que atua nos setores de hidrocarbonetos e energia elétrica. Como prestadora de serviços, a empresa e suas afiliadas se especializam em perfu...
  • Companhia: Hokchi Energy, S.A. de C.V.  (Hokchi)
  • A Hokchi Energy é uma empresa mexicana de exploração e produção de petróleo e gás. Desde 2016, opera o bloco Hokchi, no Golfo do México, em parceria com a E&P Hidrocarburos y Se...
  • Companhia: PetroBal S.A.P.I. de C.V.  (PetroBal)
  • A mexicana PetroBal SAPI de CV, subsidiária do conglomerado local Grupo Bal, foi criada para realizar atividades de exploração e produção de petróleo e gás no México. A PetroBal...
  • Companhia: Nuvoil, S.A. de C.V.  (Nuvoil)
  • Fundada em 1997, a Nuvoil, SA de CV é uma empresa mexicana de exploração e produção envolvida em projetos de gás natural e outros hidrocarbonetos. Entre seus serviços estão a co...