Chile
Feature

Os obstáculos das mineradoras chilenas no caminho da transição energética

Bnamericas Publicado: terça-feira, 06 dezembro, 2022
Os obstáculos das mineradoras chilenas no caminho da transição energética

Um estudo da consultoria CRU Group constatou que quase metade das 40 mineradoras do Chile – que representam cerca de 55% da produção nacional de cobre, zinco e níquel – não tem objetivos claros de neutralidade de carbono definidos para 2050.

A mineração de cobre no país enfrenta dificuldades derivadas do envelhecimento dos depósitos, das maiores exigências no processo de licenças ambientais e da necessidade de adoção de tecnologias para aumentar a produção e, ao mesmo tempo, reduzir a pegada de carbono e os custos.

“O Chile é menos competitivo, tanto em custos quanto em emissões, do que 50% da indústria mundial”, disse Eric Medel, analista sênior de modelos de custos de cobre da consultoria CRU, à BNamericas.

“Os custos aumentaram 40% em comparação com os últimos dez anos, e haverá uma elevação do valor atual de US$ 1,35/lb para US$ 3,90/lb até 2050, o que exige mais mudanças tecnológicas”, acrescentou o especialista durante um seminário organizado pela CRU e o centro de estudos de cobre Cesco.

A tendência de alta dos custos operacionais da mineração também foi apontada pela Comissão Chilena de Cobre (Cochilco). A inflação, que se traduz em insumos mais caros, e a queda na produção estão influenciando esse cenário.

Operações maiores geralmente têm custos mais baixos do que as menores, segundo a Cochilco, pois têm mais apoio financeiro e melhores práticas de eficiência energética, bem como acesso a tecnologias e energias renováveis.

As melhores práticas de consumo energético são essenciais para combater os problemas geológicos da mineração. “Até 2050, os teores chegariam a uma redução de 17%”, apontou Medel.

Isso se traduz em um custo maior para a extração de mais minério e em maior profundidade para produzir o mesmo volume de cobre.

Conseguir um fornecimento de energia com baixas emissões que permita a extração e o processamento 24 horas por dia é outro desafio para a indústria de mineração. Na transição energética, os primeiros usuários capazes de transformar seus modelos de produção serão os primeiros beneficiados, disseram os participantes do evento da CRU.

No entanto, a oferta de combustíveis verdes ainda é insuficiente para cobrir todas as necessidades da indústria, e são necessários acordos com fornecedores locais para obter energia de fontes renováveis.

“Vimos uma grande implantação de PPAs [contratos de fornecimento] na indústria de mineração. Com isso, 50% da demanda energética do setor será coberta por energias renováveis até 2023 ou 2024”, informou o analista.

Alguns PPAs do setor de mineração chileno foram fechados pela Antofagasta Minerals (Amsa) e a Colbún para abastecer a mineradora Zaldívar; Amsa e Engie Energy para alimentar Antucoya; Collahuasi e a usina fotovoltaica Pozo Almonte; Candelaria e a AES Chile, as unidades Escondida e Spence, da BHP, com Enel e Colbún, respectivamente; Caserones e Enel; Sierra Gorda e AES Gener; e Lomas Bayas e Engie.

Para acelerar o caminho para a neutralidade de carbono, o Chile promulgou uma lei sobre eficiência energética e outra sobre armazenamento de energia e eletromobilidade. As duas concedem benefícios para que as empresas possam incorporar energia limpa em suas operações.

“Elas deram mais velocidade ao tema, mas ainda precisamos entender como o melhor uso da energia pode ajudar as empresas em termos de custos e produtividade, além de reduzir as emissões”, explicou à BNamericas Natacha Henríquez, consultora de processos de mineração e eficiência energética da empresa local Optimet.

A indústria do cobre deve adotar um modelo de mineração verde que priorize a eficiência hídrica e energética, disse Elio Cuneo, presidente da consultoria de energia Orrisk, em entrevista à BNamericas publicada em outubro.

Serão necessárias 7,6 Mt (milhões de toneladas) adicionais de cobre por ano até 2035 para atingir as metas globais de descarbonização, já que o metal é essencial para a fabricação de veículos elétricos e o armazenamento de energia renovável.

Isso equivale à produção total do Chile, principal fornecedor mundial, e do Peru, país que vem na sequência. Juntos, ambos respondem por 40% da oferta global atual.

“Todo ano, uma mina com características semelhantes a Collahuasi deveria ser aberta para preencher a lacuna de abastecimento”, destacou Medel.

No entanto, a produção de cobre deverá diminuir entre 2025 e 2026 e “haverá uma lacuna significativa de oferta, de cerca de 6 Mt até 2035”, acrescentou Erik Heimlich, chefe de fornecimento de metais básicos da CRU.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Energia Elétrica (Chile)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Energia Elétrica (Chile)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Energia Elétrica companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Celeo Redes Chile Ltda.  (Celeo Redes Chile)
  • Celeo Redes Chile Ltda. é a unidade chilena da empresa espanhola Celeo Redes SL, que é majoritariamente detida pela Celeo Concesiones e Inversiones, parte do Grupo Elecnor SA. C...
  • Companhia: Likana Solar SpA  (Likana Solar)
  • A Likana Solar SpA está desenvolvendo a usina solar concentrada Likana de 450MW (CSP) na região de Antofagasta, no Chile. O projeto inclui três usinas de torre térmica solar de ...
  • Companhia: Andritz Chile Ltda.
  • A Andritz Chile Ltda., uma subsidiária do grupo tecnológico austríaco Andritz AG, fornece tecnologia e serviços para uma variedade de indústrias, incluindo papel e celulose, ene...