Brasil
Feature

Destaque: a equipe de transição de Lula para os setores de mineração e energia

Bnamericas Publicado: quinta-feira, 17 novembro, 2022
Tipo de extração Antimônio Gás natural Regaseificação Mapeamento / pesquisas geológicas Gasodutos Molibdênio Comerciante de energia elétrica Borato GNL Radial Pipeline de Minerais Convencionais Paládio Veículos elétricos Sucata e reciclagem Zinco Vanádio GLP Localização Não convencionais Aço Metálico Companhia de Upstream Tanques Empresas de mineração Sistemas de eletrificação rural Carvão Eólica Onshore Prata Fotovoltaico Rejeitos Eólica Onshore Outros metais básicos Vendas de Combustível Titânio Empresas de energia elétrica Produtor de energia elétrica Thermo Geotérmica Águas profundas Contrato de compra de energia (PPA) Ciclo combinado Platina Pedras preciosas Downstream Linhas de transmissão Upgrades de rede Submarino Offshore Operador do sistema de transmissão Nuclear Mineração ilegal Diamante Distribuição Primária cal Midstream Política Enxofre Fosfato Carbonato de Lítio Subestações PCH Mini Hydro Represa Não metálico Empresas de petróleo e gás Terminais de Armazenamento Potassa Distribuidor de energia elétrica Lítio Energia das marés / ondas Curso do rio Biocombustíveis Oleodutos Calcário Estanho Águas rasas Companhia de Downstream Companhia de Midstream Óleos combustíveis Combustíveis fósseis Solar Geração a Carvão Armazenamento de energia Elementos de terra rara (REE) Níquel Prospecção, exploração e extração de recursos minerais Electrolito de Litio Geração Níveis de água Outros metais preciosos Processamento de Gás Distribuição Secundária Urânio Eólica Offshore Energia elétrica Renovável Hidróxido de Lítio Processamento de metais, fundição, refino e produtos de metal Óleo cru Liquefação Instalações de produção Minério de ferro Geração distribuída Eleições Nióbio Plataformas de perfuração Óleo de bunker / óleo diesel Cobre Distribuição Biomassa Minerais e Metais Refinarias Cobalto Manganês Alterações Climáticas Geração de Gás Natural Ouro ESG Iodo Hidrogênio Verde Alumina / Alumínio Tungstênio Transição de energia limpa Hidroelétrica Chumbo Redes Inteligentes (smart grids) Distribuição de Gás Natural Transmissão Bauxita Termossolar CSP Grafite
Destaque: a equipe de transição de Lula para os setores de mineração e energia

Os nomes que irão compor a área de Minas e Energia da equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva foram revelados recentemente pelo vice-presidente eleito Geraldo Alckmin.

A lista é composta principalmente por pessoas com formação técnica e que apoiaram ou fizeram parte de governos anteriores do Partido dos Trabalhadores (PT) de Lula. O que eles têm em comum é a visão compartilhada de que o Estado deve ter um papel importante nos setores de mineração e energia.

Eles incluem um ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), um ex-diretor geral da ANP, um geólogo, um líder sindical, um ativista e políticos.

Alguns deles devem ocupar cargos de alto escalão (inclusive ministros) no próximo governo, que começa em 1º de janeiro.

Aqui BNamericas fornece uma visão geral dos membros:

Anderson Adauto


Advogado de profissão, Adauto representou o estado de Minas Gerais na Câmara dos Deputados de 1987 a 2022, foi ministro dos Transportes entre 2003 e 2004 – durante o primeiro mandato presidencial de Lula –, além de ter prefeito de Uberaba, em Minas Gerais, de 2005 a 2012.

Em 2004, ele propôs a criação de uma comissão parlamentar para investigar os conflitos em terras indígenas, incluindo o massacre de 29 garimpeiros na reserva Roosevelt, relacionado à disputa pela exploração de diamantes.

No mesmo ano, a Adauto realizou a fiscalização fiscal da construção de três ramais do gasoduto Brasil-Bolívia (Gasbol), em Minas Gerais.

Deyvid Bacelar


Bacelar é o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que deseja que a petrolífera nacional Petrobras volte a desempenhar um papel de destaque no refino para garantir a autossuficiência na produção de derivados – um passo fundamental para a implementação de uma nova política de preços de combustíveis que substitua a atual mecanismo de paridade de importação (PPI).

A FUP propõe o reinício das obras do Comperj (atual Gaslub), a conclusão do segundo trem de refino da refinaria Abreu e Lima (Rnest), a ampliação do parque de refino existente da Petrobras e a devolução das unidades privatizadas ao controle do Estado.

A FUP e seus sindicatos também defendem a retomada da participação da Petrobras no setor de fertilizantes nitrogenados, com a reabertura da unidade de fertilizantes de Araucária, no Paraná, a conclusão da fábrica de Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, além da devolução das plantas na Bahia e Sergipe arrendadas ao grupo Unigel.

A FUP também quer ver a Petrobras voltando à distribuição de derivados de petróleo no Brasil, recuperando a BR Distribuidora, que afirma ter sido “cedida arbitrariamente” à Vibra Energia quando privatizada.

Investimentos em energia renovável também fazem parte da proposta da FUP para a Petrobras, de forma a garantir um papel importante na transição energética, incluindo a expansão da produção de energia eólica e de biocombustíveis.

“Nesses últimos seis anos, a história contada foi de muita luta. Nunca a nossa estatal e os setores energéticos do nosso país foram tão agredidos. A intenção era clara: depenar o Brasil”, disse Bacelar nas redes sociais “Vencemos a eleição e com isso começa a reconstrução do Brasil, e eu, como um dos representantes da categoria tenho muita felicidade de fazer parte desse processo”.

Fernando Ferro


Engenheiro, Ferro foi deputado pelo PT de 1999 a 2011 e se apresenta como “defensor da soberania energética do Brasil”.

Em 2003, foi relator do projeto de lei que retirou a Eletrobras do Programa Nacional de Desestatização (PND).

Giles Azevedo

Geólogo de profissão, Azevedo foi secretário de Minas e Metalurgia de 2003 a 2005, quando a ex-presidente Dilma Rousseff presidiu o Ministério de Minas e Energia (MME).

Guto Quintella

Quintela é agrônomo e membro do conselho do Centro de Empreendedorismo da Amazônia, uma organização sem fins lucrativos que promove negócios sustentáveis com foco em silvicultura, biodiversidade, serviços ambientais e uso sustentável da terra na Amazônia.

Ikaro Chaves

Chaves é engenheiro da Eletronorte e presidente da Associação dos Engenheiros da Eletrobras (Aesel). Ele afirma que “apenas o setor elétrico estatal e cooperativo é capaz de cumprir a missão de equilibrar o interesse de todos os agentes e ambientes do setor elétrico.”

Jean Paul Prates

Senador pelo PT no Rio Grande do Norte, Prattes é autor de um projeto de lei que visa regulamentar a geração de energia eólica offshore no Brasil.

Prattes é visto como um potencial candidato ao cargo máximo na Petrobras, a qual deve, segundo ele, diversificar seu portfólio de negócios para incluir mais projetos de energia renovável.

Magda Chambriard

Chambriard é uma engenheira que foi diretora-geral da ANP de 2012 a 2016, durante o governo Dilma.

No comando da agência reguladora, ela entrou em conflito com as maiores empresas de petróleo e gás por conta de multas por descumprimento de requisitos obrigatórios de conteúdo local em contratos de E&P.

Em 2016, após o impeachment de Dilma e a renúncia de Chambriard, as exigências foram reduzidas.

Ela atualmente trabalha como consultora de energia na Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Maurício Tolmasquim

Engenheiro, Tolmasquim foi vice-ministro e ministro interino do MME no primeiro governo Lula, além de  presidente da EPE de 2005 a 2016.

Em 2004, esteve à frente do grupo de trabalho técnico responsável pela reforma institucional do setor elétrico, direcionando o foco para os contratos de longo prazo nas licitações.

Tolmasquim é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Nelson Hübner


Também engenheiro, Hübner foi chefe de gabinete de Dilma Rousseff no MME (2003-2005), secretário-executivo do ministério (2005-2007), ministro interino de Minas e Energia (maio de 2007 a janeiro de 2008) e diretor-geral da Aneel da 2009 a 2013.

Robson Sebastião Formica

Formica é historiador e especialista em energia. Integra o Movimento dos Atingidos por Barragens.

Sua nomeação é vista como simbólica, considerando os desastres mortais nas minas de Mariana e Brumadinho, ocorridos em 2015 e 2019, respectivamente.

William Nozaki


Doutor em desenvolvimento econômico, Nozaki é coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (Ineep).

O Ineep foi criado pela FUP em 2018 com o objetivo de fomentar a pesquisa acadêmica e prestar assessoria em questões relacionadas ao setor.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina. Deixe-nos mostrar nossas soluções para Fornecedores, Empreiteiros, Operadores, Governo, Jurídico, Financeiro e Seguros.

Assine a plataforma de inteligência de negócios mais confiável da América Latina.

Outros projetos em: Óleo e Gás (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás projetos na América Latina: em que etapas estão, capex, empresas relacionadas, contatos e mais.

Outras companhias em: Óleo e Gás (Brasil)

Tenha informações cruciais sobre milhares de Óleo e Gás companhias na América Latina: seus projetos, contatos, acionistas, notícias relacionadas e muito mais.

  • Companhia: Petrogal Brasil, Ltda.  (Petrogal Brasil)
  • A Petrogal Brasil Ltda., Dedica-se à pesquisa, exploração, produção, refino, transporte, distribuição e comercialização de petróleo, derivados e gás natural no Brasil. Possui pa...
  • Companhia: Lupatech S.A.  (Lupatech)
  • A Lupatech é uma fornecedora brasileira de produtos, serviços e soluções integradas para a indústria de óleo e gás. A empresa oferece uma ampla gama de produtos e serviços, desd...
  • Companhia: Estaleiros do Brasil Ltda.  (EBR)
  • A descrição contida neste perfil foi extraída diretamente de uma fonte oficial e não foi editada ou modificada pelos pesquisadores da BNamericas, mas pode ter sido traduzida aut...